Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2012

Crocodilo caipira

Espécie descrita em artigo na revista científica "Journal of Vertebrate Paleontology" por Fabiano Iori e Ismar Carvalho, ambos do Departamento de Geologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Descoberta de réptil voador na China

Clique na imagem para aumentá-la

A pesquisa diz que o espécime encontrado (pterossauro Guidraco venator) é "primo " de espécie do nordeste do Brasil (Araripe (Ceará, Pernambuco e Piauí) - a Meca brasileira dos pterossauros).

Características, divulgadas no trabalho, do fóssil/animal: "Medindo cerca de 3 metros de uma ponta à outra das asas (mais ou menos o mesmo que uma águia, portanto), o G. venator tinha dentes pontiagudos que escapavam para fora da boca mesmo quando ele a fechava."

O paleontólogo brasileiro Alexander Kellner, do Museu Nacional da UFRJ, desta como possibilidade que os vários tipos de pterossauros tenham surgido na China, onde a diversidade é maior, e voado rumo ao Brasil.

Viagem ao fundo do oceano

Ao ler a matéria completa (Revista Galileu), inicialmente pensei que era uma viagem por pura diversão. Já iria criticar, pois conhecemos mais a superfície da lua do que o fundo dos oceanos (OBS: localizado no planeta ao qual vivemos), tanto a parte geológica quanto (principalmente) a biológica. Por conta do difícil acesso, pela questão da pressão. Mas ao ler a imagem acima, pude ver que será coletado material para ambas áreas do conhecimento. Além de desenvolver um filme 3D, que a meu ver será interessante.

Infelizmente a ciência demanda custos grandes quanto a tecnologia, o que de certo modo dificulta os trabalhos e por sua vez adquirir e divulgar o conhecimento.
No caso do oceano, como as coisas andam no que tange o crescimento populacional humano, recursos terrestres não darão conta de suprir a necessidade. Então, imagina-se que, se recorerá para o oceano.

Penso que para realizar exploração oceânica, temos que conhecer bem o que iremos retirar. Para que o recurso não se esgote já na p…

Belezas do mundo

Restaurante em uma ilhota. Costa leste de Zanzibar

Encontro do mar Báltico com o mar do Norte

Lago turquesa criado em uma cratera. National Park Tongariro - Nova Zelândia.

Bosque Grifino, Polônia

O poço de Thor I (América do Norte)

Migração de Raias. De Yucatan até a Flórida

Golfinhos: por que eles são especiais

Fonte: Folha.com

A "simpática" Betty

Muito prazer, esta é a pequenina Betty (Ceratothoa italica), uma aparentemente inofensiva criatura do mar - mas que tem o péssimo hábito de comer línguas.

Ele penetra nas brânquias de peixes jovens e cresce em suas bocas, alimentando-se de sangue e de suas línguas, alojando no lugar que era ocupado pelo órgão.

Os biólogos afirmam que a Betty (apelido que deram ao parasita) não representa risco concreto para o homem, mas pode impactar a vida dos peixes infectados, com efeitos piores sobre seu crescimento e sua condição geral em áreas densamente impactadas pela atividade pesqueira.

Fonte: http://cienciahoje.tumblr.com/

Código Florestal/ambiental

E ainda continua essa lida! Vi em uma nota no jornal de hoje que o governo está preocupado na votação, pelo motivo de realizá-lo no período em que eles não percam para os ruralistas. A idéia é "jogar" a discussão sobre o código para maio ou até depois do Rio +20.


O negócio é esperar!

Sapo "atirador"

Fonte: Folha.com (ciência) - Clique na imagem para aumentá-la.

Desvendando mitos: pelos

Raspar os pelos não torna-os mais espessos. É garotas, acho que peguei vocês de surpresa agora! A espessura, cor, comprimento e quantidade de pelos são determinados pela questão genética. Mas desenvolvem-se independentemente de você ter raspado ou se depilado com cera.Portanto esta situação acaba se tornando um mito. O que acaba sendo um dos culpados por isto, possivelmente, é o formato do pelo: grosso na haste e fino na extremidade livre. Sendo assim, ao retirar os pelos acabamos eliminando a ponta fina, pois corta-se a haste.Fonte: Espelho Meu