segunda-feira, 23 de abril de 2012

Carrapato não tem pai?

Surgiu uma pergunta esses dias: por que o carrapato não tem pai?
Fui pesquisar e descobri a resposta. Alguns carrapatos se reproduzem assexuadamente, por partenogênese, que não é preciso fecundação dos ovos.
 
Mais informação:
PARTENOGÊNESE: http://www.mundoeducacao.com.br/biologia/partenogenese.htm
CARRAPATO: http://www.ra-bugio.org.br/projetosrealizados.php?id=11

terça-feira, 17 de abril de 2012

Parasita de peixe

Olá galera!
Hoje em aula prática de anatomia interna de peixes ósseos, o professor ensinando como desenvolver a técnica para retirar os otólitos (estrutura para o equilíbrio), observou dois parasitas próximos as fendas brânquiais.
   "Betty"                       Espécie retirada em aula prática
Semelhantes, se não a mesma espécie que foi abordada em um post passado, a "Betty" (http://woohoodetudoumpouco.blogspot.com.br/2012/03/simpatica-betty.html). Fiquei curiosos! Gostaria de poder classificar este espécime :D

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Zoólito de tubarão

Apresentado zoólito (peça arqueológica em forma de animal, desenvolvida em rocha) de tubarão, presente no Laboratório de Ensino e Pesquisa em Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal de Pelotas (LEPAARQ-UFPel).

O que me fez fazer este post foi a leitura do artigo titulado: "Reinterpretando o zoomorfo de tubarão da coleção "Carla Rosane Duarte Costa"" de GONZALEZ e MILHEIRA.

"Corpo fusiforme; olhos circulares e quatro fendas branquiais; boca ventral e narinas; duas nadadeiras dorsais e nadadeiras peitorais; sulco pré-caudal, nadadeira caudal homocerca e quilhas laterais; órgão reprodutor masculino (clásper), nadadeiras pélvicas e cloaca" Estas informações foram apresentadas somente analisando a escultura acima. E mais, após fez-se a identificação zoológica da escultura. Esta identificação tem como objetivo enriquecer a discussão sobre possíveis atividades humanas em alto mar.

SIM, isto mesmo! Já imaginaram que apartir de um zooólito pode ser realizado um trabalho biológico, com a finalidade de identificação da espécie ao qual esta representa?


E já ia esquecendo, em trabalhos pretéritos identificou-se que a escultura representaria um tubarão do gênero Isurus sp. Porém os autores do artigo discordam, classificando-o como Carcharodon carcharias (tubarão branco). Ambos gêneros pertencem a mesma família, Lamnidae, e apresentam aspectos externos muito semelhantes, mas o que os fez discordar foi principalmente a posição da abertura bucal e a consideração do aspecto arqueológico, que apresenta muito mais abudância de tubarão-branco em relação ao Anequim (gênero Isurus). OBS: todas características comparadas ao zoólito

 


Não sei vocês, mas é novidade para mim estudos com comparação de um zoólito a uma espécie real, mesmo sendo algo previsível, pois assim como pinturas rupestres, imagina-se que os zoólitos são retratos do que povos pretéritos (sambaquianos, ceramistas, por exemplo) viram e/ou caçavam na época.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O temido Candiru


Espécie comum para o norte/nordeste do Brasil, o Candiru é um pequeno peixe (atinge aproximadamente 14cm de comprimento) que pode proporcionar uma experiência dolorosa para quem resolve tomar banho nos rios da Amazônia, principalmente nus. Já observou-se que nas águas do Tumucumaque há presença desta espécie.

Segundo Cecile de Souza Gama, bióloga/ictióloga: “Os candirus são parasitas de peixes, atraídos pela uréia. Quando alguém toma banho sem roupa dentro do rio onde tem o candiru, ele é atraído pela urina e entra no canal urinário”. E o que acontece quando o peixe entra no órgão do homem?

Provoca ferimentos no orifício que penetrar, diz o Dr.Anoar Samad (urologista). Para retirá-lo, somente após várias lavagens da uretra e com equipamento endoscópico adequado e câmeras para visualização dentro da uretra consegui retirá-lo, após cerca de duas horas de cirurgia. (idem).

Este post tem como objetivo alertar sobre a espécie presente no norte/nordeste do Brasil, e não abalar o fluxo turístico desta que é uma região belissima e cheia de lugares naturais para surpreender a todos os visitantes.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Fitoplâncton: pigmentos e reserva

Cianobactéria
* Pigmentos: ficobilissomos + pigmentos acessórios como ficocianina, ficoeritrina, carotenóides, em particular mixoxantina (somente neste grupo).
*Sub. reserva: cianoficina, amido, gotas de lipídios

Diatomáceas
*Pigmentos: clorofila a, c e fucoxantina
*Sub. reserva: crisolaminarina, amido


Dinoflagelados

* Pigmentos: clorofila a, c1, c2, fucoxantina e peridinina
* Sub. reserva: amido ou lipídios

Euglenas
* Pigmentos: clorofila a e b
* Sub. reserva: paramilo e pode aparecer euglenorrodona