segunda-feira, 16 de abril de 2012

Zoólito de tubarão

Apresentado zoólito (peça arqueológica em forma de animal, desenvolvida em rocha) de tubarão, presente no Laboratório de Ensino e Pesquisa em Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal de Pelotas (LEPAARQ-UFPel).

O que me fez fazer este post foi a leitura do artigo titulado: "Reinterpretando o zoomorfo de tubarão da coleção "Carla Rosane Duarte Costa"" de GONZALEZ e MILHEIRA.

"Corpo fusiforme; olhos circulares e quatro fendas branquiais; boca ventral e narinas; duas nadadeiras dorsais e nadadeiras peitorais; sulco pré-caudal, nadadeira caudal homocerca e quilhas laterais; órgão reprodutor masculino (clásper), nadadeiras pélvicas e cloaca" Estas informações foram apresentadas somente analisando a escultura acima. E mais, após fez-se a identificação zoológica da escultura. Esta identificação tem como objetivo enriquecer a discussão sobre possíveis atividades humanas em alto mar.

SIM, isto mesmo! Já imaginaram que apartir de um zooólito pode ser realizado um trabalho biológico, com a finalidade de identificação da espécie ao qual esta representa?


E já ia esquecendo, em trabalhos pretéritos identificou-se que a escultura representaria um tubarão do gênero Isurus sp. Porém os autores do artigo discordam, classificando-o como Carcharodon carcharias (tubarão branco). Ambos gêneros pertencem a mesma família, Lamnidae, e apresentam aspectos externos muito semelhantes, mas o que os fez discordar foi principalmente a posição da abertura bucal e a consideração do aspecto arqueológico, que apresenta muito mais abudância de tubarão-branco em relação ao Anequim (gênero Isurus). OBS: todas características comparadas ao zoólito

 


Não sei vocês, mas é novidade para mim estudos com comparação de um zoólito a uma espécie real, mesmo sendo algo previsível, pois assim como pinturas rupestres, imagina-se que os zoólitos são retratos do que povos pretéritos (sambaquianos, ceramistas, por exemplo) viram e/ou caçavam na época.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário...