Pular para o conteúdo principal

Literatura, loucura e biopolítica

NOVO PRAZO DE ENVIO DOS TRABALHOS: 09 de abril de 2017

Literatura, loucura e biopolítica

Os dispositivos de controle e normatização das práticas e condutas estão disseminados como nunca na sociedade contemporânea. Sabemos, todavia, que a irrupção dessa vontade de normalização não é recente, ela vem de longa data e foi uma das preocupações centrais de Foucault quando realizou o diagnóstico do nascimento da biopolítica. O tema da loucura ocupou, nesse sentido, uma importância capital pois que a biopolítica guardaria uma relação estreita com as práticas psiquiátricas de diagnose e internação do considerado “louco, desviado ou anormal”. Com efeito, em sua primeira visita ao Brasil, no ano de 1973, Foucault asseverava: “O mundo é um grande hospício, onde os governantes são os psicólogos e o povo, os pacientes. E, a cada dia que passa o papel desempenhado pelos criminologistas, pelos psiquiatras e todos os que estudam o comportamento mental do homem torna-se cada vez maior. Razão pela qual o poder político está em vias de adquirir uma nova função: a função terapêutica”. Também, é o mesmo Foucault quem salienta o vínculo estreito entre literatura e loucura, desde a modernidade, ou seja, justamente desde o momento em que os dispositivos biopolíticos ganham forma. Declarava o pensador francês em uma entrevista dada no Japão três anos antes: “É justamente isso o que me atrai em Hölderlin, Sade, Mallarmé ou, ainda, Raymond Roussel, Artaud: o mundo da loucura que havia sido afastado a partir do século XVII, esse mundo festivo da loucura, de repente, fez irrupção na literatura”.
Desse modo, abrimos o convite a uma reflexão sobre o tema da loucura na literatura, seja como elemento constituinte dos textos, seja como elemento que acompanha o próprio processo da escritura; tal esforço buscaria compreender as relações dessa irrupção da loucura na literatura moderna, apontada por Foucault, com a problemática da biopolítica. 

Trabalhos que não respeitem as normas editoriais não serão aceitos. As normas podem ser consultadas em:http://www.revistalanda.ufsc.br/normas.html
Os originais deverão ser enviados por correio eletrônico ao endereço:
revistalanda@gmail.com

Comentários

> Mais acessadas

PROTEÍNAS E SUAS ESTRUTURAS: Secundária, Terciária e Quaternária.

As proteínas são as macromoléculas constituídas por unidades, chamadas de aminoácidos, 20 tipos básicos, e concluem cerca de 50% do peso seco das células. Existem diversos tipos de proteínas, sendo essas especializadas em alguma função biológica. A complexidade das proteínas depende da posição e quantidade dos aminoácidos ao longo da sua cadeia, fazendo com que elas de diferenciem uma das outras e assim determinando suas respectivas funções.Os aminoácidos que estão presentes nas proteínas se encadeiam pelas ligações peptídicas. Uma ligação peptídica é a união do grupo amina (-NH2) de um aminoácido com o grupo carboxila (-COOH) do outro aminoácido, formando uma amida, liberando uma molécula de água.Como as proteínas possuem uma grande variedade de funções são divididas em Estruturais e Dinâmicas.Estruturais: por exemplo, o colágeno e elastina que promovem a sustentação estrutural da célula e dos tecidos;Dinâmicas: transporte (ex: hemoglobina), defesa, catálise de reações…

Principais atividades humanas responsáveis pela emissão de gás carbônico

2ª Jornada Técnica Festa das Flores

Festa das Flores mais uma vez com jornada técnica ... Quem se interessar, segue a programação: