Assunto em pauta: Dengue

Vamos falar hoje do assunto mais falado no momento, A DENGUE!

Por não ter sintomas específicos, a doença pode ser confundida com várias outras, como leptospirose, sarampo, rubéola. São doenças que provocam febre, prostração, dor de cabeça e dores musculares generalizadas. Um médico consegue, por exames em laboratório, definir a doença e tratá-la corretamente.

Histórico no Brasil

Existem relatos da doença desde meados do século XIX e início do século XX no Brasil, a circulação dos vírus da dengue só foi comprovada laboratorialmente em 1982 em Boa Vista (RR), ficando o país sem notificação de casos por quatro anos.

Mosquito


O mosquito transmissor da dengue, Aedes aegypti, é originário do Egito, na África, e vem se espalhando pelas regiões tropicais e subtropicais do planeta desde o século 16, período das Grandes Navegações.  
Quem contamina é fêmea, pois o macho apenas se alimenta de seivas de plantas. A fêmea precisa de uma substância do sangue (a albumina) para completar o processo de amadurecimento de seus ovos. O mosquito apenas transmite a doença, mas não sofre seus efeitos.


A dengue e o tempo
A idade ideal do mosquito para transmitir a doença é a partir do 30º dia de vida. O Aedes tem um ciclo total de 45 dias.
Uma vez contaminado, o homem demora entre 2 e 15 dias para sentir os sintomas da doença.

Sintomas


99% dos infectados têm febre, que dura cerca de sete dias. Pode ser branda ou muito alta, dependendo do indivíduo e da força do vírus, da virulência.

25% apresentam manchas vermelhas em todo o corpo, as chamadas exantemas. Como o vírus se instala também próximo aos vasos, é comum estes inflamarem e ficarem evidentes na pele.

50% têm prostração, indisposição.

60% têm dor de cabeça.

50% têm dor atrás do olho.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Número de casos de dengue no Brasil aumentou 57,2% neste ano, é o que diz o


Em janeiro foram identificados aproximadamente 41.000 pacientes com a doença. Ano passado no mesmo período o registro era de 26.017 casos.

Este aumento é atribuído, em parte, à crise de água.
Qual a relação? Com a crise de água muitas pessoas armazenam a água em lugares improvisados, portanto, água parada nas casas.

São Paulo é o campeão em número de casos (fazendo a ligação com a crise de água, faz sentido) – 43% do total do país. Mas é o Estado do Acre que tem a maior incidência – aproximadamente 340 casos por 100 mil habitantes.

Embora o número de casos tenha aumentado, não é motivo para tanto alarde, pois o número de casos graves e mortes teve queda, comparado ao ano passado.

O melhor remédio é a prevenção, e para isto o Ministério da Saúde realizou, sábado dia 7 de janeiro, a segunda edição do Dia D a fim de alertar a população sobre as medidas a serem tomadas para evitar criadouros de Aedes aegypti.

Comentários

Postagens mais visitadas