Pular para o conteúdo principal

Curso de Estudos de Biodiversidade para Avaliação da Qualidade Ambiental

Curso de Estudos de Biodiversidade para Avaliação da Qualidade Ambiental


A aplicação de estudos de flora e fauna no contexto do EIA/RIMA



10 a 14 de julho de 2013



Quando avaliamos os impactos potenciais decorrentes de ações, planos, programas ou projetos precisamos entender como incorporar a variável biológica nos processos de tomada de decisão. Desacelerar a redução do número de espécies depende da nossa capacidade de avaliar, manejar e conservar os ambientes naturais remanescentes. Mas como monitorar a situação atual e prevenir novas perdas? Qual a importância e confiabilidade dos estudos sobre flora e fauna no contexto do EIA/RIMA? Inventariar espécies é o primeiro passo para a sua conservação, mas esta etapa não representa um diagnóstico completo da qualidade e integridade biológica de um local. É essencial saber aplicar estratégias complementares para diagnosticar o estado da biodiversidade local, bem como ser capaz de identificar os méritos e problemas de cada metodologia. Neste curso serão apresentadas algumas alternativas que podem ser empregadas dentro deste contexto.

PÚBLICO-ALVO

Profissionais da área ambiental sejam pesquisadores, estudantes, pessoas do setor público ou privado.

CONTEÚDO

- A perda de biodiversidade e os esforços aplicados para diagnosticar e monitorar o seu estado – Legislação Ambiental
- Conceito de impacto ambiental e breve histórico da inserção da variável ambiental nos processos de tomada de decisão
- Resoluções do CONAMA (001/86 e 237/97) e conteúdo do EIA/RIMA
- Métodos de análise de impactos e avaliação ambiental estratégica
- A articulação da AIA com outros instrumentos de políticas como o zoneamento e licenciamento ambiental
- Avaliação Ambiental Estratégica (AAE): procedimento de aplicação da AIA em fases superiores de planejamento (políticas, planos e programas).
- A importância dos estudos sobre a flora e fauna no contexto do EIA/RIMA. Onde e como podemos atuar nos diagnósticos?
- Levantamentos florísticos: caracterização de uma comunidade vegetal e quais as informações que podem ser obtidas. Aplicação do conceito de bioindicadores para plantas. A relação entre a descrição de fitofisionomias e o processo de sucessão ecológica.
- Levantamentos faunísticos: montagem de listas de espécies. Espécies guarda-chuva, bioindicadoras e hotspots. Importâncias e aplicabilidades destes conceitos no contexto de EIA/RIMA e análise sobre a eficiência e confiabilidade dos seus usos.
- Métodos que contribuem com o aproveitamento do tempo disponível para a realização de EIAs. Onde e como podemos obter dados biológicos? Procedimentos de coleta e amostragem de flora e fauna.
- Prática de campo para aplicação dos principais métodos de coleta.

INSTRUTORES

Marcelo Montaño
Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo (1998), mestrado em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo (2005). A partir das pesquisas desenvolvidas, e como forma de complementação da formação acadêmica, iniciou em 2007 o curso de bacharelado em Ciências Sociais na Universidade Federal de São Carlos. Professor do Departamento de Hidráulica e Saneamento da EESC/USP, atualmente é responsável pelas disciplinas Instrumentos de Política Ambiental, Licenciamento Ambiental, e Ciências do Ambiente para Engenharias. É professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental, onde desenvolve pesquisas em Instrumentos de Política Ambiental, Análise de Viabilidade Ambiental e aplicações em geoprocessamento. Tem experiência em projetos na área de Engenharia Ambiental (licenciamento e avaliação de impacto ambiental), e aplicações de Instrumentos de Política e Gestão Ambiental. Seus interesses recaem sobre os mecanismos que atuam no processo de tomada de decisão e inserção da variável ambiental nos projetos de desenvolvimento.

Christiane Corrêa
Graduada em Ciências Biológicas e mestre em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. É doutora em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas e atua em trabalhos na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia vegetal. Atualmente faz pós-doutorado em Ecologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Seus principais projetos envolvem descrição dos principais padrões encontrados em comunidade e populações vegetais, bem como os fatores que determinam esses padrões. Atualmente tem ministrado cursos de curta duração sobre uso de Bioindicadores de Flora, no IPÊ, e populações e comunidades vegetais.

Marcelo Pereira de Souza
Professor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP, onde leciona as disciplinas de Política Ambiental e Avaliação de Impacto Ambiental e professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental da Escola de Engenharia de São Carlos da USP. Pós-Doutor pela Clark University (EUA) e pela Oxford Brookes University (Inglaterra). Mestre e Doutor pela Faculdade de Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. É graduado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, em Administração de Empresas pela Universidade Mackenzie e em Direito pela Faculdade de Direito de São Carlos.

Ricardo Oliveira Latini
Possui graduação em Zootecnia e aperfeiçoamento em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e mestrado em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É professor da Faculdade UNIPAC de Educação e Ciências de Betim (MG), onde leciona disciplinas na área da ecologia e biologia da conservação. Desde 2006 atua como consultor na área de ictiologia em estudos de impactos ambientais de empreendimentos hidrelétricos e, atualmente, é responsável pela execução dos estudos ictiológicos dos planos de controle ambiental de algumas Pequenas Centrais Hidrelétricas em Minas Gerais.

INVESTIMENTO

À vista: R$ 1.275,00*
Parcelado: R$ 1.275,00 (primeira parcela R$ 450,00 + 3x 275,00)

O valor do curso inclui 5 dias de hospedagem, refeições diárias, material didático e certificado de participação. O IPÊ oferece traslado gratuito em horário pré-determinado no percurso Aeroporto de Guarulhos – IPÊ e Rodoviária de Atibaia – IPÊ. O IPÊ não cobre despesas de viagem.

* Valor com desconto para pagamento antecipado.



FAÇA A SUA INSCRIÇÃO

Informações: www.ipe.org.br / cbbc@ipe.org.br

55 (11) 4597-1327 / 9 9981-2601

Se você não deseja mais receber nossos e-mails,
cancele sua inscrição.

Comentários

> Mais acessadas

PROTEÍNAS E SUAS ESTRUTURAS: Secundária, Terciária e Quaternária.

As proteínas são as macromoléculas constituídas por unidades, chamadas de aminoácidos, 20 tipos básicos, e concluem cerca de 50% do peso seco das células. Existem diversos tipos de proteínas, sendo essas especializadas em alguma função biológica. A complexidade das proteínas depende da posição e quantidade dos aminoácidos ao longo da sua cadeia, fazendo com que elas de diferenciem uma das outras e assim determinando suas respectivas funções.Os aminoácidos que estão presentes nas proteínas se encadeiam pelas ligações peptídicas. Uma ligação peptídica é a união do grupo amina (-NH2) de um aminoácido com o grupo carboxila (-COOH) do outro aminoácido, formando uma amida, liberando uma molécula de água.Como as proteínas possuem uma grande variedade de funções são divididas em Estruturais e Dinâmicas.Estruturais: por exemplo, o colágeno e elastina que promovem a sustentação estrutural da célula e dos tecidos;Dinâmicas: transporte (ex: hemoglobina), defesa, catálise de reações…

Principais atividades humanas responsáveis pela emissão de gás carbônico

2ª Jornada Técnica Festa das Flores

Festa das Flores mais uma vez com jornada técnica ... Quem se interessar, segue a programação: